SUB-REPRESENTAÇÃO POLÍTICA FEMININA

UM ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE ELEIÇÕES PARA VEREANÇA NO RECÔNCAVO DA BAHIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31068.310103

Palavras-chave:

Poder Legislativo, gênero, candidaturas femininas, competição eleitoral, poder local.

Resumo

Os estudos sobre a sub-representação feminina na política trazem novas
questões para a ciência política, como a discussão do conceito de representação e
a necessidade da inclusão de grupos marginalizados no espaço da política. Este
artigo apresenta resultados de estudo que investigou o desempenho das
candidaturas femininas à vereança nos municípios do território do recôncavo da
Bahia ao longo dos pleitos de 2012, 2016 e 2020. O método de pesquisa foi a análise
dos resultados eleitorais disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral. As
candidaturas foram divididas em três grupos, o dos 30% mais votados, os 30%
menos votados e os 40% intermediários. Verifica-se pequena elevação no total de
candidaturas femininas nos municípios, contudo elas se concentram no grupo dos
30% menos votados, em contraste com os homens, sempre maioria entre os mais
votados. Há diminuição marginal na concentração de mulheres no grupo dos menos
votados ao longo dos três pleitos. Percebe-se que a lei de cotas garante um mínimo
de candidaturas femininas, mas não altera a competitividade das candidatas.

Referências

Referências

ARAÚJO, Clara. Gênero e acesso ao poder legislativo no Brasil: as cotas entre as instituições e a

cultura. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 2, p. 23-59, mar, 2012. Disponível em

<https://periodicos.unb.br/index.php/rbcp/article/view/1604>. Acesso em: 14 ago. 2022.

___. Participação política e gênero: algumas tendências analíticas recentes. BIB, São Paulo, n. 52,

v. 2, p. 45-77, 2001. Disponível em:

<https://bibanpocs.emnuvens.com.br/revista/article/view/238>. Acesso em: 14 ago. 2022.

BARROS, Antônio Teixeira. Mulheres filiadas a partidos políticos: relatos de experiências femininas

na política partidária. Revista Artêmis, Vol. 41, N. 1, p. 265-298, jan-jun, 2021. Disponível em:

<https://periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/55542>. Acesso em: 14 ago. 2022.

BIROLI, Flávia. Divisão sexual do trabalho e democracia. Dados revista de ciências sociais, Rio de

Janeiro, V. 59, N. 3, p. 719-754, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/00115258201690. Disponível

em: https://www.scielo.br/j/dados/a/kw4kSNvYvMYL6fGJ8KkLcQs/?format=pdf&lang=pt. Acesso

em: 14 ago. 2022.

BOHN, Simone. Mulheres brasileiras na disputa do legislativo municipal, Perspectivas, São Paulo,

V 35, p. 63-89, jan/jun, 2009.

BRAGA, Maria do Socorro Souza e DALCIN, Cinthia Carvalho. Marchas e contramarchas da subrepresentação feminina: desempenho das eleições municipais de 2020. Conhecer: debate entre

o público e o privado, Fortaleza, v 11, n. 26, p. 198-226, 2021. Disponível em

https://revistas.uece.br/index.php/revistaconhecer/article/view/4679/3889. Acesso em: 11 nov.

BRAGA, Maria do Socorro Souza. Organizações partidárias e seleção de candidatos no estado de

São Paulo. Opinião Pública, Campinas, v.14, n. 2, p. 454-485, 2008. Disponível em:

https://periodicos.fclar.unesp.br/perspectivas/article/view/2288/1856. Acesso em: 14 ago. 2022.

BRASIL. Lei nº 9.100, de 29 de setembro de 1995. Estabelece normas para a realização das

eleições municipais de 3 de outubro de 1996, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência

da República, 1995. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9100.htm>.

Acesso em: 13 ago. 2022.

___. Lei n◦ 9.504, de 30 de setembro de 1997. Estabelece normas para as eleições. Brasília, DF:

Presidência da República, [2019]. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/

leis/l9504.htm>. Acesso em: 22 out. 2020.

SUB-REPRESENTAÇÃO POLÍTICA FEMININA: UM ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE ELEIÇÕES PARA

VEREANÇA NO RECÔNCAVO DA BAHIA

Maria Inês Caetano Ferreira

Revista Teoria & Pesquisa, v. 31, n. 1, 2022, p. 20-46

___. Lei nº 12.034, de 29 de setembro de 2009. Estabelece normas para a realização das eleições

municipais de 3 de outubro de 1996, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da

República, 1995. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/>. Acesso em: 13 ago. 2022.

___. Lei nº 13.165, de 29 de setembro de 2015. Estabelece normas para a realização das eleições

municipais de 3 de outubro de 1996, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da

República, 1995. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/>. Acesso em: 13 ago. 2022.

___. Lei nº 13.877, de 27 de setembro de 2019. Altera as Leis nos9.096, de 19 de setembro de

, 9.504, de 30 setembro de 1997, 4.737, de 15 de julho de 1965 (Código Eleitoral), 13.831, de

de maio de 2019, e a Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452,

de 1º de maio de 1943, para dispor sobre regras aplicadas às eleições; revoga dispositivo da Lei

nº 13.488, de 6 de outubro de 2017; e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da

República, 2019. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/>. Acesso em: 13 ago. 2022.

___. Tribunal Superior Eleitoral. Estatísticas Eleitorais [2012, 2016, 2020]: resultados. Brasília, DF:

TSE [2021 e 2022]. Disponível em: http://www.tse.jus.br/eleicoes/estatisticas/ estatisticaseleitorais. Acesso em: 05 fev. 2022.

CERVI, Emerson; URIZZI; Borba, Felipe. Os diretórios partidários municipais e o perfil

sociodemográfico de seus membros. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n.28, p. 65-

, jan-abri de 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-335220192803. Disponível em:

<https://www.scielo.br/j/rbcpol/a/qbsnm7VHDCqbvDSmFBQvFtn/?format=pdf&lang=pt>.

Acesso em: 13 ago. 2022.

DANTAS, Humberto; SILVA, Bruno Souza da. Eleições legislativas municipais: a porta de entrada

na política e a mãe de todos os pleitos sob a realidade de 2020. Cadernos Adenauer XXI, Eleições

municipais e os desafios de 2020, n.2. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, jun 2020, p.

-185. Disponível em:

<https://www.kas.de/documents/265553/265602/Cadernos+Adenauer+2_2020.pdf/6b1130eeab7e-4c3a-23c3-7791b10c1867?version=1.0&t=1592244874993>. Acesso em: 13 ago. 2022

FURLIN, Neiva. A relação entre Estado e sociedade no processo de institucionalização das políticas

de gênero no Brasil e Chile. Revista brasileira de Ciência Política, n. 32, Brasília, p. 109-206, maiago 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-335220203205. Disponível em:

<https://www.scielo.br/j/rbcpol/a/bTnrnr5S5cCvM4qqgHFCwxc/?format=pdf&lang=pt> Acesso

em: 13 ago.2022.

GORTARI, Amanda dos Santos Neves. A podridão da candidatura laranja: ponderações acerca da

participação feminina nas eleições brasileiras. In: Tribunal Superior Eleitoral. Estudos eleitorais.

Brasília: Tribunal Superior Eleitoral, p. 31-48, 2009. Disponível em:

<https://bibliotecadigital.tse.jus.br/xmlui/bitstream/handle/bdtse/6841/2020_gortari_podridao_c

andidatura_laranja.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 13 ago. 2022.

HTUN, Mala. A política de cotas na América Latina. Estudos Feministas, Florianópolis, v.9, n.2, p.

-230, 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000100013. Disponível em

SUB-REPRESENTAÇÃO POLÍTICA FEMININA: UM ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE ELEIÇÕES PARA

VEREANÇA NO RECÔNCAVO DA BAHIA

Maria Inês Caetano Ferreira

Revista Teoria & Pesquisa, v. 31, n. 1, 2022, p. 20-46

<https://www.scielo.br/j/ref/a/z6tNyFXHdFWFYQQxtHqWHZb/?lang=pt>. Acesso em: 13 ago.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativa da população residente no

Brasil com data de referência em 1◦ de julho de 2012. [Rio de Janeiro]: IBGE, 2012. Disponível em:

<https://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2012/estimativa_2012_municipio

s.pdf>.Acesso em: 23 out. 2020.

___ Estimativa da população residente no Brasil com data de referência em 1◦ de julho de 2016.

[Rio de Janeiro]: IBGE, 2016. Disponível em:

<https://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2016/estimativa_dou_2016_2016

>. pdf. Acesso em: 23 out. 2020.

___. Estimativa da população residente no Brasil com data de referência em 1◦ de julho de 2020.

[Rio de Janeiro]: IBGE, 2020. Disponível em:

<https://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2020/POP2020_20220711>.pdf.

Acesso em: 05 fev. 2022.

LIJPHART, Arend. Modelos de democracia: desempenho e padrões de governo em 36 países. RJ:

Civilização Brasileira, 2003.

MACEDO, Elaine Harzheim. A cota de gênero no processo eleitoral como ação afirmativa na

concretização de direitos fundamentais políticos: tratamento legislativo e jurisdicional. Revista da

AJURIS, v.41, n.133, p. 205-243, mar de 2014. Disponível em:

<http://ajuris.kinghost.net/OJS2/index.php/REVAJURIS/article/view/226/162>. Acesso em: 13

ago. de 2022.

MANSBRIDGE, Jane. Should blacks represent blacks and women represent women? A contingente

“yes”. The journal of politics, v. 61, n.3, p. 628-657 aug 1999. Disponível em:

<https://wappp.hks.harvard.edu/files/wappp/files/should_blacks_represent_blacks_and_women_r

epresent_women_a_contingent_yes1.pdf>. Acesso em: 13 ago. 2022.

MIGUEL, Luis Felipe e BIROLI, Flávia. Feminismo e política. SP: Boitempo, 2014.

PEIXOTO, Vítor de Moraes e SILVA, Gabriel Tisse da. Mulheres nas eleições proporcionais

municipais de 2016. Teoria & Pesquisa Revista de Ciência Política, São Carlos, v. 26, n. 3, p. 39-59,

DOI: https://doi.org/10.4322/tp.v26i3.609. Disponível em:

<https://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/view/609/367>. Acesso 13 ago.

PHIILLIPS, Anne. De uma política de ideias a uma política de presença? Estudos feministas,

Florianópolis, v. 9, n.2, p. 268-290, Set, 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-

X2001000100016. Disponível em:

<https://www.scielo.br/j/ref/a/FdBzZvsFvDmZLZQQm5DKY8M/?lang=pt#>. Acesso em: 13 ago.

PITKIN, Hannah. The concept of representation. Berkley, Los Angeles, London: University of

California Press, 1972.

SUB-REPRESENTAÇÃO POLÍTICA FEMININA: UM ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE ELEIÇÕES PARA

VEREANÇA NO RECÔNCAVO DA BAHIA

Maria Inês Caetano Ferreira

Revista Teoria & Pesquisa, v. 31, n. 1, 2022, p. 20-46

QUINTELA, Débora Françolin e DIAS, Joelson Costa. Participação política das mulheres no Brasil:

das cotas de candidatura à efetiva paridade na representação. Revista de teoria da democracia

e direitos políticos, Brasília, v. 2, n. 1, p. 52-74, jan/jun 2016. Disponível em:

<https://indexlaw.org/index.php/revistateoriasdemocracia/article/view/1105/pdf>. Acesso 11

nov 2022.

SANCHEZ Beatriz Rodrigues. Representação política das mulheres: uma revisão crítica da

bibliografia. BIB, São Paulo, n. 80, v. 2, p, 103-117, 2015 (publicado em maio de 2017). Disponível

em:https://www.anpocs.com/index.php

/bib-pt/bib-80/10559-representacao-politica-das-mulheres-uma-revisao-critica-dabibliografia/file>. Acesso em: 13 ago. 2022.

SILVA, Bruno. Souza da; Dantas, Humberto. Quem são eles? Identificando e caracterizando os

vereadores brasileiros (2000-2016). Perspectivas. São Paulo, v.48, p. 11-45jul/dez 2016.

Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/perspectivas/article/view/10906/7058>. Acesso

em: 13 ago. 2022.

YOUNG, Iris. Representação política, identidade e minorias. Lua nova, SP, 67, p. 263-269, 2006.

DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-64452006000200006. Disponível em:

<https://www.scielo.br/j/ln/a/346M4vFfVzg6JFk8VZnWVvC/?lang=pt> Acesso em: 13 ago. 2022.

Downloads

Publicado

2022-12-20