Ministérios e burocracia no processo de produção de políticas públicas

O caso das agendas do setor de energia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/tp.v33i00.1033

Palavras-chave:

Burocracia, Políticas públicas, Ministérios, Setor de energia, Agenda de políticas públicas

Resumo

Os ministérios são variáveis-chave no processo de produção de políticas por conta do contexto do presidencialismo de coalizão e da dinâmica do processo de priorização na agenda das políticas públicas, dos quais a burocracia tem papel de destaque. Nesse sentido, este trabalho objetiva responder: a burocracia tem agendas próprias que diferem das agendas presidencial e do Legislativo? Para isso, desarrolha-se um estudo de caso qualitativo sobre o setor de energia entre 1995 e 2014 a fim de entender qual o papel das esferas mais técnicas do governo no policy-making process. Em termos de resultados, são identificadas prioridades distintas e divergências importantes entre as agendas da presidência, do Legislativo e da administração setorial. Esses achados sugerem a existência de uma agenda da administração setorial que parece operar com certa autonomia da presidência e ainda mais do Congresso Nacional, processo que pode estar relacionado com as prioridades da própria burocracia setorial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiano Parra Duarte, Universidade Federal de São Carlos

Doutorando em Ciência Política com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal de São Carlos. Editor-chefe da revista Agenda Política.

Referências

ABERBACH, J. D.; PUTNAM, R. D.; ROCKMAN, B. A. Bureaucrats and politicians in western democracies. In: Bureaucrats and Politicians in Western Democracies. Harvard University Press, 1981.

ABERS, R. Ativismo na burocracia? O médio escalão do Programa Bolsa Verde. In: CAVALCANTE, P.; LOTTA, G. (org.). Burocracia de médio escalão: perfil, trajetória e atuação. Brasília: ENAP, 2015. p. 143-175.

ABERS, R. Bureaucratic Activism: Pursuing Environmentalism Inside the Brazilian State. Latin American Politics and Society, v. 61, p. 21-44, 2019.

ABERS, R. Ativismo Institucional: Criatividade e Luta na Burocracia Brasileira. 1. ed. Brasília: Editora UnB, 2021.

ABRANCHES, S. Presidencialismo de coalizão. Dados, v. 31, n. 1, 1988.

AMORIM NETO, O. Presidencialismo e governabilidade nas Américas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

AMORIM NETO, O. O Poder Executivo, centro de gravidade do sistema político brasileiro. In: AVELAR, L.; CINTRA, A. O. (ed.). Sistema político brasileiro: uma introdução. Rio de Janeiro, RJ: Fundação Konrad Adenauer, p. 131-140, 2007.

ANASTASIA, F.; INÁCIO, M. Democracia, Poder Legislativo, interesses e capacidades. Cadernos Aslegis, v. 40, n. 2, p. 33-54, 2010.

ARAÚJO, C. M.; COSTA, S. F.; FITTIPALDI, I. Boa noite, e boa sorte: determi¬nantes da demissão de ministros envolvidos em escândalos de corrupção no primeiro governo Dilma Rousseff. Opinião Pública, Campinas, v. 22, n. 1, p. 93-117, 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BATISTA, M. O poder no Executivo: uma análise do papel da Presidência e dos Ministérios no presidencialismo de coalizão brasileiro (1995-2010). Opinião Pública, v. 19, n. 2, p. 449-473, 2013.

BATISTA, M. O Poder no Executivo: explicações no presidencialismo, parlamentarismo e presidencialismo de coalizão. Revista de Sociologia e Política, v. 24, p. 127-155, 2016.

BATISTA, M.; LOPEZ, F. Ministerial typology and political appointments: where and how do presidents politicize the bureaucracy?. Brazilian Political Science Review, v. 15, 2020.

BORGES, A.; COÊLHO, D. B. O Preenchimento de Cargos da Burocracia Pública Federal no Presidencialismo de Coalizão Brasileiro: Análise Comparada de Dois Ministérios - Ciência e Tecnologia e Integração Nacional. In: LOPEZ, F. G. (org.). Cargos de confiança no presidencialismo de coalizão brasileiro. Brasília: IPEA, 2015. p. 71-105.

CAP – Comparative Agendas Project. CAP Topics: Master Topics Codebook Version 1.1. Disponível em: https://www.comparativeagendas.net/pages/master-codebook. Acesso em: 16 set. 2022.

CAREY, J. Presidential versus parliamentary government. In: MENARD, C.; SHIRLEY, M. M. (ed.). Handbook of new institutional economics. Dordrecht: Springer, 2005. p. 91-93.

CAVALCANTE; P.; CAMÕES, M.; KNOP, M. Burocracia de médio escalão nos setores governamentais: semelhanças e diferenças. In: CAVALCANTE, P.; LOTTA, G. (org.). Burocracia de médio escalão: perfil, trajetória e atuação. Brasília: ENAP, 2015. p. 57-89.

D'ARAUJO, M. C. A elite dirigente do governo Lula. Fundação Getulio Vargas, CPDOC, 2009.

D’ARAUJO, M. C.; LAMEIRÃO, C. A elite dirigente do governo Lula. Rio de Janeiro: CPDOC; FGV, 2009.

D’ARAUJO, M. C.; PETEK, J. Recrutamento e perfil dos dirigentes públicos brasileiros nas áreas econômicas e sociais entre 1995 e 2012. Revista de Administração Pública, v. 52, p. 840-862, 2018.

DUARTE, C. P. Entre renováveis e não renováveis: o setor de energia na agenda governamental brasileira entre 1995 e 2014. 2021. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2021.

DUARTE, C. P.; BIZELLI, J. L. Burocracia e produção de políticas no nível estadual: o caso da política de inovação para o setor público no estado de São Paulo. In: RIBEIRO, P.; TROIANO, M.; ALBRECHT, N. Mosaico da burocracia pública brasileira: novos olhares sobre burocratas e interesses no Brasil. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2022. p. 243-265.

DUARTE, C. P.; LINO, L. L. A burocracia no processo de agendamento das políticas públicas: novas questões e perspectivas de pesquisa. BIB - Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, [S. l.], v. 1, n. 98, p. 1–22, 2023. Disponível em: https://bibanpocs.emnuvens.com.br/revista/article/view/596. Acesso em: 26 abr. 2023.

FIGUEIREDO, A.; LIMONGI, F. Instituições políticas e governabilidade: de¬sempenho do governo e apoio legislativo na democracia brasileira. In: RANULFO, C.; SÁEZ, M. A. (org.). A democracia brasileira: balanço e perspectivas para o século 21. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007. p. 25-32.

FIGUEIREDO, A. M. C. Resenha de estudos sobre o Executivo. Revista do Serviço Público, v. 55, n. 1-2, p. 5-48, 2004.

FREITAS, A. M. O presidencialismo da coalizão. 2013. Tese (Doutorado em Ciência Política). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

GOLDEMBERG, J.; LUCON, O. Energia e meio ambiente no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 21, n. 59, p. 7-20, 2007.

GOMIDE, A.; PEREIRA, A. K. Os desafios da governança da política de infraestrutura no Brasil: aspectos políticos e administrativos da execução do investimento em projetos de grande vulto. In: GOMIDE, A.; PEREIRA, A. K. (org.). Governança da política de infraestrutura: condicionantes institucionais ao investimento. Rio de Janeiro: Ipea, 2018. p. 13-36.

GUERRA, R. Mudanças intraministeriais e gestão da coalizão: Brasil, de 1990 a 2014. Opinião Pública, v. 25, p. 630-659, 2020.

HOWLETT, M.; RAMESH, M.; PERL, A. Public Policy: Its cycles and subsystems. An integral approach. 2013.

INÁCIO, M.; REZENDE, D. Partidos legislativos e governo de coalizão: controle horizontal das políticas públicas. Opinião Pública, v. 21, n. 2, p. 296-335, 2015.

JASANOFF, S. The fifth branch: science advisers as policymakers. Harvard University Press, 1998.

KOGA, N.; PALOTTI, P. L. M.; COUTO, B. G.; LINS, R.; NASCIMENTO, M. I. B. O uso de múltiplas fontes de informação nas políticas públicas: um olhar sobre a burocracia federal brasileira. Revista de Administração Pública, v. 55, n. 5, p. 165-1190, 2021.

LIMA, R. O recrutamento político impacta atitudes e percepções de burocratas em ministérios brasileiros? Evidências empíricas usando matching em survey. Opinião Pública, v. 26, n. 3, p. 587-632, 2020.

LIPSKY, M. Street-level bureaucracy: dilemmas of the individual in public services. Nova York: Russel Sage Foundation, 1980.

LOPEZ, F. G.; BUGARIN, M.; BUGARIN, K. Partidos, facções e a ocupação de cargos de confiança no Executivo federal (1999-2011). In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 37., 2013. Anais [...]. Caxambú, MG: ANPOCS, 2013. p. 1-27.

LOPEZ, F.; SILVA, T. M. Party filiation and appointment for positions in the Brazilian federal bureaucracy (1999-2018). Revista de Administração Pública, v. 53, p. 711-731, 2019.

LOTTA; G. S. Teorias e Análises sobre Implementação de Políticas Públicas no Brasil. Brasília: Enap, 2019.

MAJONE, G. Do Estado positivo ao Estado regulador: causas e conseqüências de mudanças no modo de governança. Revista do Serviço Público, v. 50, n. 1, p. 5-36, 1999.

MERCEDES, S. S. P.; RICO, J. A. P.; POZZO, L. Y. Uma revisão histórica do planejamento do setor elétrico brasileiro. REVISTA USP, n. 104, 2015, p. 13-36.

NATT, E. D. M.; CARRIERI, A. P. Energia Hidrelétrica: A Retórica da Energia Limpa. In: SARAIVA, L. A. S.; RAMPAZO, A. V. (org.). Energia, organizações e sociedade. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2017. p. 79-112.

PALOTTI, P.; CAVALCANTE, P. L. C. Articuladores políticos e dirigentes da burocracia: ministros de Estado no Brasil e em perspectiva comparada. In: PIRES, R.; LOTTA, G.; OLIVEIRA, V. Burocracia e políticas públicas no Brasil: interseções analíticas. Brasília: Ipea, 2018. p. 161-184.

PALOTTI, P. L. M.; CAVALCANTE, P. L. C. Estratégias de nomeações ministeriais: entre a política e as políticas públicas. Revista de Sociologia e Política, v. 27, n. 70, p. 1-20, 2019.

PETERS, B. G. The politics of bureaucracy. 5. ed. London e NY: Routledge, 2018.

RIBEIRO, P.; POIATTI, N. A instabilidade ministerial importa? Compreendendo a produção legislativa dos ministérios no Brasil. Revista de Administração Pública, v. 56, n. 1, p. 1-22, 2022.

RUDALEVIGE, A. Managing the President’s Program: presidential leadership and legislative policy formulation. New Jersey: Princeton University Press, 2002.

WORKMAN, S. The dynamics of bureaucracy in the US government: How Congress and federal agencies process information and solve problems. Cambridge University Press, 2015.

Downloads

Publicado

17/04/2024

Como Citar

DUARTE, C. P. Ministérios e burocracia no processo de produção de políticas públicas: O caso das agendas do setor de energia. Teoria & Pesquisa Revista de Ciência Política, São Carlos, v. 33, n. 00, p. e024003, 2024. DOI: 10.14244/tp.v33i00.1033. Disponível em: https://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/view/1033. Acesso em: 24 maio. 2024.

Métricas