Mídia, gênero e conservadorismo

Como as mulheres eleitas em 2020 no circuito histórico de Minas Gerais constroem suas representações nas redes sociais digitais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31068/tp.v32iesp.1.1052

Palavras-chave:

Comunicação política, Campanha permanente, Midiatização, Esfera pública conectada, Feminismos

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar como as prefeitas eleitas em municípios do circuito histórico da Estrada Real, em Minas Gerais, Brasil, construíram suas representações políticas na esfera pública conectada das redes sociais durante a campanha eleitoral de 2020 e como elas as mantiveram no primeiro ano de mandato, considerando a crescente utilização da estratégia de campanha permanente, caracterizada pela intensificação do processo de midiatização. Para elaborar essa pesquisa, foi realizada uma breve revisão teórica sobre a relação dialética entre o feminismo como movimento de massa (FRASER, 2019) e o surgimento do neoconservadorismo (BIROLI; MACHADO, VAGGIONE, 2020), estabelecendo as noções conceituais de esfera pública conectada (BENKLER, 2020), midiatização (HJARVARD, 2012), campanha permanente (LILLEKER, 2006) e os arquétipos das mulheres candidatas (PANKE, 2016). A metodologia utilizada foi híbrida, combinando pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e análise de conteúdo. Os resultados preliminares indicam que não há uma fórmula pronta para garantir a vitória das mulheres nas urnas. Candidatas com diferentes trajetórias, partidos políticos e tamanhos de municípios adotaram estratégias eleitorais que ora se aproximaram, ora se distanciaram. Todas elas apresentaram cautela ao lidar com questões polêmicas relacionadas ao feminismo contemporâneo durante a campanha. No exercício do mandato, foi a prefeita da cidade de maior porte e do partido mais à esquerda que demonstrou um maior compromisso com as pautas históricas e urgentes das mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Najla Márcia Nazareth dos Passos, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM). Bolsista CAPES.

Referências

ARUZZA, C.; BHATTACHARYA, T.; FRASER, N. Feminismo para os 99% – um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BENKLER, Y. The Wealth of Networks: How Social Production Transforms Markets and Freedom. New Haven and London: Yale University Press, 2006.

BIROLI, F.; MACHADO, M. D.; VAGGIONE, J. Gênero, neoconservadorismo e democracia: disputas e retrocessos na América Latina. São Paulo: Boitempo, 2020.

BIROLI, F. O público e o privado. In: Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.

COLLINS, P.; BILGE, S. Interseccionalidade. São Paulo: Boitempo, 2021. Ebook Kindle.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

DEBORT, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto Editora, 1997.

FERNANDES, C. et al. Campanha permanente de Dilma Rousseff: uma análise da comunicação governamental e das estratégias eleitorais. Mediaciones Sociales, n. 15, p. 81‐100, 2016. DOI: DOI: 10.5209/MESO.54544.

FERREIRA, G. L. O direito à comunicação e as mulheres na política: ações de redistribuição e reconhecimento para o incentivo à eleição de mulheres no Brasil. 2021. 388 f. Tese (Doutorado em Comunicação) — Universidade de Brasília, Brasília, 2021.

FRASER, N. Feminismo, capitalismo e a astúcia da história. In: HOLLANDA, H. B. (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

FRASER, N. Rethinking the Public Sphere: A Contribution to the Critique of Actually Existing Democracy. Social Text, n. 25/26, p. 56-80, 1990. DOI: https://doi.org/10.2307/466240.

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. 20. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

HJARVARD, S. Midiatização: teorizando a mídia como agente de mudança social e cultural. Matrizes, v. 5, n. 2, p. 53-91, enero/jun. 2012.

HOLLANDA, H. B. (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro, Bazar do Tempo, 2019.

JENKINS, H. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2013, 3Mb, ePUB.

LEAL, P. R.; PASSOS, N. A Outra Dilma Do PT: estratégias de comunicação eleitoral na disputa pela vereança no interior mineiro e a representação da mulher nas eleições 2020. In: CONGRESSO COMPOLÍTICA, 9., 2021, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte, 24 a 28 de maio, 2021. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/15fuLUOy5n2gF8FCn0qk46AwQMa5p3kwW/view. Acesso em: 11 ago. 2021.

LILLEKER, D. Interviewing the political elite: Navigating a potential minefield. London: SAGE Publications Ltd, 2006. DOI:10.4135/9781446212943.

MARTINO, L. M. Teoria das Mídias Digitais: linguagens, ambientes, redes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

MARTINS, T.F. Campanha permanente, visibilidade midiática e propaganda política: um estudo das estratégias comunicacionais dos candidatos Lula/Haddad (PT) e Bolsonaro (PP, PSC, PEN e PSL) de 2015 a 2018. 2020. Tese (Doutorado) – Universidade Paulista, São Paulo, 2020.

MIGUEL, L. F. Gênero e representação política. In: BIROLI, F.; MIGUEL, L. F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.

PANKE, L. Campanhas eleitorais para mulheres: desafios e tendências. 1. ed. Curitiba: UFPR, 2016.

PANKE, L. Candidatas guerreiras no Brasil: um estudo de caso das narrativas audiovisuais das mulheres mais votadas às prefeituras das capitais em 2020. Cuestiones de género: de la igualdad y la diferencia, n. 16, p. 459-474, 2021.

QUINALHA, Renan. “Em nome de Deus e da família”: um golpe contra a diversidade. In: SINGER, A. et al. (org.). Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

SILVEIRA, S. A. Convergência digital, diversidade cultural e Esfera Pública. In: SILVEIRA, S. A.; PRETTO, N. (org.). Além das redes de colaboração. Salvador: UFBA, 2008.

SODRÉ, M. As estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

TIBURI, M. Feminismo em comum: para todas, todes e todos. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

Publicado

30/06/2023

Como Citar

PASSOS, N. M. N. dos. Mídia, gênero e conservadorismo: Como as mulheres eleitas em 2020 no circuito histórico de Minas Gerais constroem suas representações nas redes sociais digitais. Teoria & Pesquisa Revista de Ciência Política, São Carlos, v. 32, n. esp.1, p. e023008, 2023. DOI: 10.31068/tp.v32iesp.1.1052. Disponível em: https://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/view/1052. Acesso em: 24 fev. 2024.

Métricas