Democracia anti-antropocêntrica

Dispositivos de representação, escuta e visibilidade extra-humana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31068.310204

Palavras-chave:

Pós-humanismo; Democracia deliberativa; Emergência Climática; Virada ontológica; Estética da política.

Resumo

O artigo examina condições de possibilidade política, ética e estética de uma democracia representativa anti-antropocêntrica, ou seja, que tematiza e mobiliza dispositivos políticos para tratar vieses de tomadas de decisão política que impactam entidades extra-humanas. Para realizar tal objetivo, examinamos, primeiramente, fundamentos biológicos e ontológicos que sustentam a hipótese de que quaisquer entidades sensíveis são portadoras de um tipo de interesse inalienável: o de perseverar na própria existência. Considerada a validade e consequências dessa hipótese, transportamos a mesma para uma reflexão clássica da democracia representativa, que diz respeito das possibilidades e desafios de alargar esse regime político para que ele promova reconhecimento legal, político e moral de interesses tais inalienáveis. Nesse passo, ponderamos sobre desafios e possibilidades de tratamento do (insuperável) viés antropocêntrico em tomadas de decisão política acerca de extra-humanos a partir da possibilidade desses últimos tornarem-se minimamente representados, audíveis e visíveis. Em busca de esboçar respostas para essa problemática, apresentamos três condições necessárias para que tal reconfiguração anti-antropocêntrica possa ser operada em democracias representativas: a) inclusão de povos indígenas em tomadas de decisão acerca de entidades extra-humanas; b) experimentação de dispositivos deliberativos que suportem uma interação dissensual entre representantes de ontologias distintas; c) mobilização de dispositivos imagéticos e audiovisuais que minorem as “incomensurabilidades” de ser afetado pelos interesses inalienáveis de outos modos de existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Henrique Nigri Veloso, UFMG / DCP

Doutorando em Ciência Política (PPGCP-UFMG), Mestre em Comunicação Social (PPGCOM-UFMG) e Bacharel em Ciências Sociais (UFMG). Pesquisa inovação, participação e deliberação democrática com interesse especial em: a) Lutas por justiça e reconhecimento; b) Democracia digital; c) Ciência, tecnologia e controvérsias sociotécnicas. Membro do grupo de pesquisa em democracia e justiça - MARGEM. Especialização teórica em: Teoria democrática, social e antropológica; Vulnerabilidades; Movimentos sociais; Comunicação, Estética da política, Política da estética. Aplicações metodológicas: Teoria Política; Análise de Redes; Discurso Político; Etnografia e Cartografia; Ciência de Dados. 

Ângela Cristina Salgueiro Marques, UFMG/PPGCOM

Professora Associada do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Comunicação Social pela UFMG (2007) e pós-doutora em Comunicação e Ciências Sociais na cidade de Grenoble (França), onde atuou junto a dois grupos de pesquisa: o Groupe de Recherche sur les Enjeux de la Communication (Institut de Communication et Medias - Université Stendhal) e o Groupe de Recherche en Sciences Sociales sur lAmérique Latine (MSH-Alpes, Université Pierre Mendes France). Seus atuais interesses de pesquisa estão voltados para a interseção entre a Comunicação, a Política e a Estética; entre a Comunicação e a Cultura, e entre a Comunicação e processos políticos, com destaque para práticas sociais e processos deliberativos; políticas públicas e cidadania;comunicação pública e comunicação organizacional; reconhecimento social de grupos minoritários; abordagem comunicacional-pragmática das relações entre estética e política; a composição de redes discursivas destinadas a publicizar questões de interesse coletivo (incluindo discursos televisivos ficcionais e de entretenimento); o aprimoramento de metodologias qualitativas de pesquisa que objetivam evidenciar a articulação entre diferentes atores, discursos estético-expressivos e arenas argumentativas.

Referências

ALONSO, Angela; ACOSTA, Valeriano. Ciências Sociais e Meio Ambiente no Brasil: um balanço bibliográfico. In Revista Brasileira de Informa? 別 s Bibliograficas em Ciencias Sociais,(Brazilian Journal of Social Sciences Literature Reviews), 53: 35-78, 02., 2002.

BIONDI, Angie Gomes. Três figurações do corpo sofredor no fotojornalismo. CECS-Publicações/eBooks, p. 227-245, 2016.

BIERMANN, Frank. The Anthropocene: A governance perspective. The Anthropocene Review, v. 1, n. 1, p. 57-61, 2014.

BRAGA, José Luiz. Dispositivos interacionais. Encontro Anual da Compós, v. 20, p. 1-15, 2011.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CALDERÓN, Andrea Soto. La performatividad de las imágenes. Santiago de Chile: Ediciones Metales Pesados, 2020.

CURATO, Nicole et al. Twelve key findings in deliberative democracy research. Daedalus, v. 146, n. 3, p. 28-38, 2017.

DE LA CADENA, Marisol. Indigenous cosmopolitics in the Andes: Conceptual reflections beyond “politics”. Cultural anthropology, v. 25, n. 2, p. 334-370, 2010.

DE ALMEIDA, Mauro W. Barbosa. Caipora e outros conflitos ontológicos. Revista de Antropologia da UFSCar, v. 5, n. 1, p. 7-28, 2013.

DOBSON, Andrew. Representative democracy and the environment. Democracy and the Environment, p. 124-139, 1996.

DONALDSON, Sue; KYMLICKA, Will. Zoopolis: A political theory of animal rights. Oxford University Press, 2011.

DONOSO, Alfonso. Representing non-human interests. Environmental Values, v. 26, n. 5, p. 607-628, 2017.

DRYZEK, John S.; PICKERING, Jonathan. Deliberation as a catalyst for reflexive environmental governance. Ecological Economics, v. 131, p. 353-360, 2017.

DRYZEK, John S.; PICKERING, Jonathan. Deliberation as a catalyst for reflexive environmental governance. Ecological Economics, v. 131, p. 353-360, 2017.

DRYZEK, John S. et al. Deliberative global governance. Cambridge University Press, 2019.

ECKERSLEY, Robyn. The discourse ethic and the problem of representing nature. Environmental Politics, v. 8, n. 2, p. 24-49, 1998.

FEINBERG, J. 1974. ‘The rights of animals and unborn generations’. In W. Blackstone (ed.), Philosophy and Environmental Crisis, pp. 43–68. Athens, GA: University of Georgia Press.

GARNER, Robert. A theory of justice for animals: Animal rights in a nonideal world. Oxford University Press, 2013.

GOODIN, Robert E. Enfranchising the Earth, and its Alternatives. Political studies, v. 44, n. 5, p. 835-849, 1996.

HICKMANN, Thomas et al. (Ed.). The anthropocene debate and political science. Routledge, 2018.

MARQUES, Ângela Cristina Salgueiro. Política da imagem, subjetivação e cenas de dissenso. Discursos Fotográficos, v. 10, n. 17, p. 61-86, 2014.

MONDZAIN, Marie-José. «Nada, tudo, qualquer coisa. Ou a arte das imagens como poder de transformação», in A República por Vir: Arte, Política e Pensamento para o Século XXI, ed. Leonor Nazaré e Rodrigo Silva. Lisbonne: Fondation Calouste-Gulbenkian, 2011, p.103-128.

NIXON, R. Slow Violence and the Environmentalism of the Poor. Harvard University Press, 2011.

ROLSTON III, H. ‘Enforcing environmental ethics – civic law and natural value’. In J. Sterba (ed.), Social and Political Philosophy: Contemporary Perspectives, pp. 349–369. London: Routledge, 2011.

STERBA, James P. Global justice for humans or for all living beings and what difference it makes. The Journal of ethics, v. 9, n. 1, p. 283-300, 2005.

PITKIN, Hanna Fenichel. The concept of representation. University of California Press, 1967.

RANCIÈRE, Jacques. Le travail des images. Conversations avec Andrea Soto Calderón. Dijon: Les Presses du Réel, 2019

RUSNAK, Gerett et al. Co-management of natural resources in Canada: A review of concepts and case studies. Minga. No. 2, 1997.

STENGERS, Isabelle. No tempo das catástrofes: resistir à barbárie que se aproxima. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

SMITH, L. T. Decolonizing Methodologies: Research and indigenous peoples. 2nd ed. Zed Books, 2012.

SOBREVILA, C. The Role of Indigenous Peoples in Biodiversity Conservation: The Natural but Often Forgotten Partners. World Bank, Washington, DC, 2008.

STONE, Christopher. Should trees have standing. Toward Legal Rights for Natural Objects, 1974.

TSOSIE, K. S. & CLAW, K. G. Indigenizing Science and Reasserting Indigeneity in Research. Hum Biol 91, 137-140.2020.

VARNER, G. In Nature’s Interests? Interests, Animal Rights, and Environmental Ethics. Oxford: Oxford University Press.1998

VELOSO, Lucas Henrique Nigri. “Remédio anti-covardia”: cartografia de vulnerabilidades, comunicação e política na construção e performatividade do dia de luta antimanicomial. 2020.

VELOSO, Lucas; MARQUES, Angela Cristina Salgueiro. Vulneráveis ou vítimas? A experiência das redes de luta antimanicomial em Belo Horizonte e a construção relacional de biopotências. Lumina, v. 12, n. 2, p. 59-78, 2018.

WARREN, Mark E.; PEARSE, Hilary. Designing deliberative democracy: The British Columbia citizens' assembly. 2008.

WISSENBURG, Marcel. The Anthropocene and the republic. Critical Review of International Social and Political Philosophy, v. 24, n. 5, p. 779-796, 2021.

Downloads

Publicado

14/02/2023

Como Citar

NIGRI VELOSO, L. H.; SALGUEIRO MARQUES, Ângela C. Democracia anti-antropocêntrica: Dispositivos de representação, escuta e visibilidade extra-humana. Teoria & Pesquisa Revista de Ciência Política, São Carlos, v. 31, n. 2, p. 65–85, 2023. DOI: 10.31068.310204. Disponível em: https://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/view/929. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Métricas