Herdeiros de Salazar?

O projeto político do Chega e seus possíveis elementos de aproximação e de afastamento do ideário salazarista (2019-2022)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/tp.v33i00.1057

Palavras-chave:

Salazarismo, Chega, Projeto Político

Resumo

O artigo tem por objeto o projeto político do partido português Chega, criado em 2019. Versa, ainda, sobre a possível ocorrência de uma relação entre o legado do salazarismo (1933-1968), referente ao período em que António Salazar (1889-1970) comandou Portugal, com a atual plataforma desta agremiação partidária. O objetivo é analisar se existem consideráveis pontos de convergência com os ideais salazaristas que possam representar uma continuidade das políticas encampadas pelo ditador português e o atual projeto do partido, ou se o Chega é uma força de extrema-direita sem ligação com o ideário de Salazar. Qualitativo e exploratório, o artigo utilizar-se-á de fontes primárias produzidas pelo partido e de fontes secundárias, como artigos científicos, livros e matérias jornalísticas. A questão que norteia esta investigação é: que elementos permitem considerar o Chega como um herdeiro de ideias salazaristas e/ou distanciá-lo desta perspectiva dentro da realidade política portuguesa?  Conclui-se, portanto, que o Chega não pode ser necessariamente identificado, ao menos no presente momento, como um herdeiro do salazarismo, embora o projeto de revisão constitucional e de reforma do Estado propostos pelo partido remetam diretamente às propostas de Salazar que levaram à criação do Estado Novo e à extensão do regime autoritário em Portugal até o ano de 1974.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Gazalle Cavichioli, Universidade Federal de Pelotas

Doutorando em Ciência Política (UFPel). Mestre em Ciência Política (UFPel).

Rafael Alexandre Silveira, Universidade Federal de Pelotas

Doutorando em Ciência Política (UFPel). Mestre em Direito e Sociedade pela Universidade La Salle (Unilasalle).

Referências

ALMADA, J. Grandes personagens de todos os tempos: Salazar. São Paulo: Editora Três, 1974.

ANCIAES, S. L. J. A Revolução dos Cravos e a adoção da opção europeia da política externa portuguesa. 2004. 119 f. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.5494. Acesso em: 16 maio 2023.

BUDGE, I; ROBERTSON, D.; HEARL, D. Ideology, strategy, and party change: Spatial analyses of post-war election programmes in 19 democracies. New York: Cambridge University Press, 1987.

BUDGE, I. Experts Judgments of Party Policy Positions: Uses and limitations in political research. European Journal of Political Research, Essex, v. 37, n. 1, p. 103-113, jan. 2000.

BUDGE I.; KLINGEMANN, H-D.; VOLKENS, A.; BARA, J.; TANNENBAUM, E. (ed.). Mapping policy preferences: Estimates for parties, electors, and governments 1945-1998. New York: Oxford University Press, 2001.

CALDEIRA, A. M. O partido de Salazar: antecedentes, organização e funções da União Nacional (1926-34). Análise Social, v. XXII, n. 94, p. 943-977, 1986. Lisboa: Universidade de Coimbra, 1986. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1223553909H4gHN7tg9Hb28GI2.pdf. Acesso em: 16 maio 2023.

CAMUS, J-Y.; LEBOURG, N. Far-right politics in Europe. Cambridge: University Press, 2017.

CARDOSO, L. A. F.; SANTOS, J. M. R. Estado Novo português e Estado Novo brasileiro: afinidades e divergências nas relações com o patrimônio arquitetônico (décadas de 1930 e 1940). In: Anais do Encontro Nacional ArquiMemória 4, Salvador, p. 1-25, maio 2013. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/20221/1/Acta__Estado-Novo_VersaoFinal.pdf. Acesso em: 16 maio 2023.

CAVICHIOLI, B. G. A ascensão política de António de Oliveira Salazar (1928–1933): A instrumentalização do medo na gênese do Estado Novo em Portugal. 2021. 115 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2021.

CAVICHIOLI, B. G.; GALLO, C. A. Entre Deus e o Estado: Salazar, Franco e a Igreja Católica nas ditaduras ibéricas do século XX. Revista Memória em Rede, v. 14, n. 27, jul./dez. 2022. Disponível em: https://doi.org/10.15210/rmr.v14i27. Acesso em: 16 maio 2023.

CHEGA. Declaração de Princípios e Fins. s.d. Disponível em: https://partidochega.pt/index.php/declaracao-principios/. Acesso em: 3 jul. 2023.

CHEGA. Manifesto para a Europa. s.d. Disponível em: https://partidochega.pt/index.php/manifesto-para-a-europa/. Acesso em: 3. jul. 2023.

CHEGA. Manifesto Político Fundador. s.d. Disponível em: https://partidochega.pt/index.php/manifesto/. Acesso em: 3 jul. 2023.

CHEGA. Programa Político 2021. Disponível em: https://partidochega.pt/index.php/programa_politico/. Acesso em: 29 jun. 2023.

CHEGA. Projecto de Revisão Constitucional nº. 1/XV/1ª. 2022. Disponível em: https://partidochega.pt/wp-content/uploads/2022/10/revisao.pdf. Acesso em: 3 jul. 2023.

COCHICHO, J. A. C. A contabilidade e a imoralidade no Estado Novo (anos 30 e 40). Pecvnia, Leon: Universidad de Leon, n. 13, jul./dez. 2011, p. 83–96, 2011. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/08d5/d8d300c8eb8957315444ab17212c4e227cdb.pdf?_ga=2.228754325.800946142.1585130242-1927380768.1585130242. Acesso em: 14 maio 2023.

COELHO, P.; SILVA, J.; GUTIÉRREZ, A.; COELHO, M.; MATIAS, D. A grande ilusão: o esqueleto saiu do armário. SIC Notícias. Disponível em: https://sicnoticias.pt/programas/reportagemsic/2021-04-01-A-Grande-Ilusao-o-esqueleto-saiu-do-armario-dce84b86.

COSTA PINTO, A. Corporativismo, ditaduras e representação política autoritária. In: COSTA PINTO, A.; MARTINHO, F. P (org.). A onda corporativa: corporativismo e ditaduras na Europa e na América Latina. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2016.

COSTA PINTO, A. Corporativismo e ditaduras: o salazarismo e o franquismo. In: MURARI, L.; MAIA, T. A.; RUGGIERO, A. (org.). Do Estado à Nação: política e cultura nos regimes ditatoriais dos anos 1930. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 191-220, 2018.

CRUZ, M. B. A Revolução Nacional de 1926: da Ditadura Militar à Formação do Estado Novo. Revoltas e Revoluções, Revista de História das Ideias, n. 7, p. 347-371, 1985. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1985. Disponível em: https://digitalis-dsp.uc.pt/bitstream/10316.2/45079/1/A_revolucao_nacional_de_1926.pdf. Acesso em: 14 maio 2023.

CUNHA, F. W. A evolução constitucional portuguesa e suas relações com a brasileira. Revista de Informação Legislativa, a. 24, n. 96, out./dez/ 1987. Brasília: Senado Federal, 1987. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/181797/000433551.pdf?sequence=1. Acesso em: 14 maio 2023.

ERICKSON, F. Qualitative methods in Research on Teaching. New York: Macmillan, 1986.

FARINHA, L. O regime republicano e a Constituição de 1911. Entre a “Ditadura do Legislativo” e a “governação em ditadura”: um equilíbrio difícil. História Constitucional, n. 13, p. 597-609, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.17811/hc.v0i13. Acesso em: 14 maio 2023.

FORTI, S. Afinidades y diferencias: una cartografia de fuerzas y discursos de ultraderecha en Europa. In: SANAHUJA, J. A.; STEFANONI, P. (ed.). Extremas derechas y democracia: perspectivas iberoamericanas. Madrid: Fundación Carolina, 2023.

FRAGA, L. A. A Carbonária, uma força civil, e os militares: uma reflexão histórica. In: Separata das Actas XIX Colóquio de História Militar («100 Anos de Regime Republicano: Políticas, Rupturas e Continuidades»). Lisboa: Comissão Portuguesa de História Militar, 2010. 33 p. Disponível em: https://repositorio.ual.pt/handle/11144/654. Acesso em: 14 maio 2023.

JOÃO PAULO II, Papa. Carta Encíclica Centesimus Annus (No centenário da Rerum Novarum). 1991. Disponível em: https://www.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_01051991_centesimus-annus.html. Acesso em: 2 jul. 2023.

KLINGEMANN, H-D.; HOFFERBERT, R.; BUDGE, I. Parties, policies, and democracy. Boulder: Westview Press, 1994.

KLINGEMANN, H-D., VOLKENS, A.; BARA, J.; BUDGE, I.; MCDONALD, M. D. Mapping Policy Preferences II: Estimates for parties, electors, and governments in Eastern Europe, European Union and. OECD 1990-2003. Oxford: Oxford University Press, 2006.

LAVER, M. Estimating the policy position of political actors. London: Routledge/ECPR, 2001.

LAVER, M; BUDGE, I. Party policy and government coalitions. New York:St. Martin's Press, 1992.

LEITÃO, A. M. Lutar é preciso: exílios, resistências e tensões. Portugueses antissalazaristas em São Paulo (1945-1974). 2019. 235f. Tese (Doutorado em História) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2019.

LOBO, M. C. A evolução do sistema partidário português à luz de mudanças económicas e políticas (1976-1991). Lisboa: Análise Social, 1996.

LOPES, H. F, Salazarismo: autoritarismo ou fascismo? A união nacional em perspectiva organizacional e comparativa. Lisboa: Observatório Político, Working Paper nº. 76, 2017. Disponível em: http://www.observatoriopolitico.pt%2Fwp-content%2Fuploads%2F2017%2F11%2FWP_76_HL.pdf&usg=AOvVaw03SUYXmqrynmxi0QF4TeQe. Acesso em: 16 maio 2023.

MADUREIRA, A. Antecedentes imediatos do salazarismo. Publicações Dom Quixote: Lisboa, 1997.

MARCHI, R. A nova direita anti-sistema: o caso do Chega. Lisboa: Edições Almedina, 2020.

MATOS, H. Salazar: A Construção do Mito (1928–1933). Lisboa: Temas e Debates, 2010.

MENESES, F. R. Salazar: Biografia Definitiva. Lisboa: Leya, 2011.

MERMIAM, S. Case study research in education. In: A qualitative aproach. Jossey-Bass, 1988.

MORLINO, L. Legados autoritários, política do passado e qualidade da democracia na Europa do Sul. In: PINTO, A. C.; PALOMANES, F. C. M. (org.). O passado que não passa: a sombra das ditaduras na Europa do Sul e na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

MOTA, G. A Batalha de La Lys e a sua história. In: FREITAS, J. G.; CARDOSO, J. C.; REIS, P. (ed.). A Primeira Guerra Mundial. Na Batalha de La Lys. Porto: Universidade Fernando Pessoa, 2019.

MUDDE, C. La ultraderecha hoy. Barcelona: Paidós, 2021.

PAÇO, A. S. Um certo doutor de Coimbra. In: PAÇO, A. S. 1926–1932: A ascensão de Salazar. Coord. António Simões do Paço. Lisboa: PDA, 2008.

PINTO, D. M. G. Ensaio sobre a evolução política do Estado Novo. 2010. 129 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política e Relações Internacionais) - Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2010. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/61004287.pdf. Acesso em: 16 maio 2023.

PIRES, A. P. As letras de uma revolução: a implantação da República em Portugal a 5 de outubro de 1910. Estudos Históricos, v. 30, n. 61, mai./ago., p. 331-354, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/eh/a/Z6ZkSnwwH6zc9Q8B3pDsbRC/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 14 maio 2023.

SALAZAR, A. O. Discursos e notas políticas: 1928 a 1966. Coimbra: Coimbra Editora, 2016.

SANAHUJA, J. A.; BURIAN, C. L. Las “nuevas derechas” y la ultraderecha neopatriota: conceptos, teoría y debates en el cruce de ideología y globalización. In: SANAHUJA, J. A.; STEFANONI, P. (ed.). Extremas derechas y democracia: perspectivas iberoamericanas. Madrid: Fundación Carolina, 2023.

SANFEY, M. On Salazar and Salazarism. Studies: An Irish Quarterly Review, v. 92, n. 368, p. 405-411, 2003. Dublin: Irish Province of the Society of Jesus, 2003. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/pdf/30095666.pdf?seq=1. Acesso em: 16 maio 2023.

SANTOS, P. B. Na gênese da Constituição Política de 1933: o ideário corporativo e a estrutura econômico-social do autoritarismo português. Estudos Históricos, v. 31, n. 64, mai./ago., p. 173-196, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S2178-14942018000200004. Acesso em: 16 maio 2023.

SILVA, I. G. Partido Chega: a extrema-direita fascista em Portugal. São Paulo: Lutas Sociais, v. 24, n. 45, jul/dez., 2020.

SILVA, P. M. F. Da dívida de guerra ao empréstimo externo: perspectivas dos movimentos políticos e da opinião pública. Revista Portuguesa de História, n. 45, p. 53-68, 2014. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2014. Disponível em: https://digitalis-dsp.uc.pt/bitstream/10316.2/35356/1/RPH45_artigo5.pdf. Acesso em: 14 maio 2023.

SIMPSON, D. A Igreja Católica e o Estado Novo Salazarista. Lisboa: Edições 70, 2014.

STANLEY, J. Facha: cómo funciona el fascismo y como há entrado en tu vida. Barcelona: Blackie Books, 2019.

TELO, A. J. A obra financeira de Salazar: a «ditadura financeira» como caminho para a unidade política, 1928-1932. Análise Social, Lisboa: Universidade de Coimbra, v. XXIX, n. 128, 1994, p. 779–800, 1994. Disponível em: https://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1223377734G3mJR3zd6Ys20EZ2.pdf. Acesso em: 14 maio 2023.

VOLKENS, A. Manifesto research since 1979: from reliability to validity. In: LAVER, M. Estimating the Policy Position of Political Actors. London/New York: Routledge/ECPR, 2001.p. 33-49.

WHEELER, D. L. A Primeira República Portuguesa e a história. Análise Social, Lisboa: Universidade de Coimbra, v. XIV, n. 56, p. 865-87, 1978. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1223989532S4yRL1eb3Cn44CL5.pdf. Acesso em: 14 maio 2023.

Downloads

Publicado

17/04/2024

Como Citar

CAVICHIOLI, B. G.; SILVEIRA, R. A. Herdeiros de Salazar? : O projeto político do Chega e seus possíveis elementos de aproximação e de afastamento do ideário salazarista (2019-2022). Teoria & Pesquisa Revista de Ciência Política, São Carlos, v. 33, n. 00, p. e024002, 2024. DOI: 10.14244/tp.v33i00.1057. Disponível em: https://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/view/1057. Acesso em: 24 maio. 2024.

Métricas