PARTICIPAÇÃO POLÍTICA, EXTREMISMO IDEOLÓGICO E DOGMATISMO

Autores

  • Ednaldo Ribeiro
  • Julian Borba

DOI:

https://doi.org/10.4322/tp.v29i2.817

Resumo

Dialogando com desenvolvimentos recentes na literatura sobre comportamento político, o artigo investiga os efeitos do extremismo ideológico e do dogmatismo político sobre os níveis de ativismo da população de São Paulo em diferentes modalidades de engajamento cívico. Considerando o contexto recente de polarização política verificado no contexto nacional, o objetivo principal é avaliar em que medida esse fenômeno contribui para acentuar as assimetrias já bastante expressivas no comportamento participativo. São consideradas formas de ação política eleitorais, não eleitorais e contestatórias e os principais preditores propostos são o extremismo no autoposicionamento ideológico, o fechamento ao diálogo e a rigidez de opinião, essas duas últimas tomadas como medidas de dogmatismo. Utilizando dados do Projeto “Índice de Democracia Local” testamos as hipóteses de que extremismo e dogmatismo estariam positivamente relacionados a maior ativismo político e que a combinação dessas características intensifica essa relação. Os resultados confirmam parcialmente essas hipóteses, indicando a existência de clivagem entre extremistas e moderados, principalmente no que diz respeito à esquerda, que apresenta maior probabilidade de engajamento em diversas modalidades de envolvimento político. No que diz respeito ao dogmatismo, contrariando nossa hipótese, foram verificados efeitos negativos

Downloads

Publicado

2020-10-19

Edição

Seção

Dossiê