O legado de Marielle Franco na formação política de mulheres negras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31068/tp.v32iesp.1.1053

Palavras-chave:

Marielle Franco, Feminismo Negro, Interseccionalidade, Mulheres na Política

Resumo

A socióloga Marielle Franco foi eleita vereadora no Rio de Janeiro em 2016, obtendo 46.502 votos, o que a colocou na quinta posição entre os candidatos mais votados naquela eleição. Ela se apresentava como uma mulher negra, mãe, filha, irmã, esposa e proveniente da favela da Maré. A questão racial esteve presente na sua campanha, assim como nas suas propostas de projetos, durante o exercício do mandato de vereadora. A interseccionalidade e o feminismo negro propõem uma abordagem na qual raça, gênero e classe são considerados indissociáveis. É com essa perspectiva que o presente artigo é estruturado. A vereadora foi assassinada em 2018, juntamente com seu motorista Anderson Gomes, em um atentado a tiros que, até hoje, permanece sem esclarecimento. O Instituto Marielle Franco foi criado após a sua morte, para lutar por justiça, preservar sua memória, difundir seu legado e fortalecer iniciativas inspiradas por Marielle. A Plataforma Antirracista nas Eleições (PANE), criada para as eleições de 2020 com o objetivo de incentivar a participação de mulheres negras nos espaços de tomada de decisão, e o Movimento Estamos Prontas, criado em conjunto com o Movimento Mulheres Negras Decidem, visando aumentar a representação política de mulheres negras, LGBTQIA+ e periféricas que atuam como líderes coletivas em todo o Brasil, são propostas que serão analisadas para analisar o legado de Marielle na formação política das mulheres negras. Nessa análise, também faremos referência a autoras como Lélia Gonzalez, Angela Davis, Bell Hooks, Djamila Ribeiro, Sueli Carneiro, Patricia Hills Collins, Kimberlé Williams Crenshaw, entre outras, por meio de suas contribuições teóricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vivian Oliveira Lemos dos Santos, Universidade Federal do Paraná

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação.

Referências

AMARAL, M. F. Lugares de fala: um conceito para abordar o segmento popular da grande imprensa. Contracampo, Niterói, jan/jul 2005. 103-114. DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v0i12.561

BRASIL. Lei n. 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis nos 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003. Brasília: Presidência da República, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12288.htm. Acesso em: 31 ago. 2021.

BRASIL. Eleições 2022: mulheres são a maioria do eleitorado brasileiro. Brasília: Tribunal Superior Eleitoral, 18 jul. 2022a. Disponível em: https://www.tse.jus.br/comunicacao/noticias/2022/Julho/eleicoes-2022-mulheres-sao-a-maioria-do-eleitorado-brasileiro. Acesso em: 20 ago. 2022.

BRASIL. Eleições 2022: o que é violência política de gênero e como denunciar. Brasília: Ministério Público Federal, 08 abr. 2022b. Disponível em: http://www.mpf.mp.br/am/sala-de-imprensa/noticias-am/eleicoes-2022-o-que-e-violencia-politica-de-genero-e-como-denunciar. Acesso em: 20 ago. 2022.

BRASIL. STF julga procedente ação do MPF e condena Daniel Silveira a mais de 8 anos de reclusão e à perda de mandato. Brasília: Ministério Público Federal, 20 abr. 2022c. Disponível em: http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/stf-julga-procedente-acao-do-mpf-e-condena-daniel-silveira-a-mais-de-8-anos-de-reclusao-e-a-perda-de-mandato. Acesso em: 28 ago. 2022.

BRASIL. Mulheres representam 16% dos vereadores eleitos no País. Brasília: Câmara dos Deputados, 17 nov. 2020. Disponível em: https://www.camara.leg.br/noticias/708248-mulheres-representam-16-dos-vereadores-eleitos-no-pais/. Acesso em: 27 ago. 2022.

COLLINS, P. H. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da disriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 1, p. 171-188, 1 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011

HOOKS, B. Teoria Feminista: da margem ao centro. São Paulo: Perspevtiva, 2020.

INSTITUTO MARIELLE FRANCO. Quem Somos? Instituto Marielle Franco, [21--]. Disponível em: https://www.institutomariellefranco.org/. Acesso em: 20 ago. 2022.

MIGUEL, L. F. Carole Pateman e a crítica feminista do contrato. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 93, 2017. DOI: https://doi.org/10.17666/329303/2017

PANKE, L. Campanhas eleitorais para mulheres desafios e tendências. Curitiba: UFPR, 2016.

PATEMAN, C. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

ROUVENAT, F. Instituto Marielle Franco cobra proteção a candidatas negras e LGBTQIA+. G1, 16 ago. 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/blog/octavio-guedes/post/2022/08/16/instituto-marielle-franco-cobra-protecao-a-candidatas-negras-e-lgbtqia.ghtml. Acesso em: 20 ago. 2022.

TREMBLAY, M. Women and legislative representation: electoral systems, political parties, and sex quotas. Nova York: Palgrave Macmillan, 2008. DOI: https://doi.org/10.1057/9780230610378

Publicado

30/06/2023

Como Citar

LEMOS DOS SANTOS, V. O. O legado de Marielle Franco na formação política de mulheres negras. Teoria & Pesquisa Revista de Ciência Política, São Carlos, v. 32, n. esp.1, p. e023009, 2023. DOI: 10.31068/tp.v32iesp.1.1053. Disponível em: https://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/view/1053. Acesso em: 24 maio. 2024.

Métricas