VOLATILIDADE ELEITORAL E SISTEMA PARTIDÁRIO: EM BUSCA DE UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA

Autores

  • Sergio Simoni Junior

DOI:

https://doi.org/10.4322/tp.v28i3.758

Resumo

As análises correntes tendem a atribuir as causas da volatilidade eleitoral aos eleitores de baixa capacidade cognitiva e a partidos políticos inconsistentes. Proponho uma abordagem alternativa, ressaltando teoricamente que o comportamento volátil pode ser uma decisão eleitoral racional e que partidos alteram a oferta de candidaturas de forma estratégica. Do ponto de vista empírico, analiso os resultados eleitorais em São Paulo nas eleições para cargos do Executivo, nos anos de 1982 a 2014, verificando se a volatilidade se correlaciona com a escolaridade do eleitorado ao nível das urnas. Os resultados mostram que a volatilidade é causada, em grande medida, por estratégias dos partidos políticos, não se devendo a debilidades do sistema partidário. Além disso, o comportamento flutuante não é atributo de nenhum tipo social específico de eleitor e, portanto, não pode ser imputado aos menos instruídos

Downloads

Publicado

2020-02-15

Edição

Seção

Artigos