Reflexões teóricas sobre a interação entre movimento LGBTI+ e partidos políticos no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31068/tp.310301

Palavras-chave:

movimentos sociais; partidos políticos; movimento LGBTI ; participação política.

Resumo

O artigo pretende empreender esforços teóricos por meio de pesquisa bibliográfica. Primeiramente, queremos refletir sobre a interação entre movimentos sociais e partidos políticos com base em um conjunto fértil de produções que têm explorado diferentes conexões entre movimentos sociais e o sistema político. Em seguida, pretendemos discutir as interações entre Movimento LGBTI+ brasileiro e os partidos políticos em busca de transformações sociais e políticas pela via da política institucional. Argumentamos que os principais motivos para essa aliança consistem na afinidade ideológica e estratégica e na busca conjunta para alcançar resultados políticos, superando as visões exclusivamente confrontacionais/desafiadoras dos movimentos em relação às instituições políticas. Os ganhos são duplos: movimentos sociais podem acessar recursos partidários para seus propósitos enquanto partidos ganham em termos de mobilização e conexão com interesses sociais, potencializando sua função representativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleyton Feitosa, UnB

Doutor em Ciência Política pela Universidade de Brasília, Mestre em Direitos Humanos pela Universidade Federal de Pernambuco e Pedagogo pela Universidade Federal de Pernambuco/Centro Acadêmico do Agreste. Co-coordenou o dossiê temático “Participação Política LGBTI+ no Brasil” publicado na REBEH - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura (2022). É autor do livro “Políticas Públicas LGBT e Construção Democrática no Brasil” (Appris, 2017). Foi consultor da Unesco, onde atuou na organização da 3ª Conferência Nacional LGBT no âmbito do Ministério de Direitos Humanos (2016). É membro do Grupo de Pesquisa sobre Relações entre Sociedade e Estado (Resocie) vinculado ao IPOL/UnB. E-mail: cleyton_feitosa@hotmail.com

Referências

ABERS, Rebecca; BÜLOW, Marisa von. Movimentos sociais na teoria e na prática: como estudar o ativismo através da fronteira entre Estado e sociedade? Sociologias, Porto Alegre, v. 13, n. 28, p. 52-84, set.-dez., 2011.

ABERS, Rebecca; SERAFIM, Lizandra; TATAGIBA, Luciana. Repertórios de interação estadosociedade em um estado heterogêneo: a experiência na Era Lula. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 57, n. 2, p. 325-357, 2014.

ALMEIDA, Debora Cristina Rezende de; VIEIRA, Anne Karoline; KASHIWAKURA, Gabriella. Instituições participativas e repertórios de interação: os Conselhos Nacionais de Saúde e Assistência Social no contexto do impeachment. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 71, n. 1, p. 140-170, jan.-mar., 2020.

ALONSO, Angela. Repertório, segundo Charles Tilly: história de um conceito. Sociologia & Antropologia, v. 2, n. 3, p. 21-41, 2012.

ALVAREZ, Sonia. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu, Campinas, v. 43, p. 13-56, jan.-jun., 2014.

BURSTEIN, Paul; LINTON, April. The impact of political parties, interest groups, and social movement organizations on public policy: some recent evidence and theoretical concerns. Social Forces, v. 81, n. 2, p. 380-408, dez., 2002.

CARRARA, Sérgio; AGUIÃO, Silvia; LOPES, Paulo Victor Leite; TOTA, Martinho. Retratos da política LGBT no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: CEPESC, 2017. CARRARA, Sérgio. Políticas e direitos sexuais no Brasil contemporâneo. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, Natal, v. 4, n. 5, p. 131-147, 2010.

Downloads

Publicado

08/04/2023

Como Citar

FEITOSA, C. . Reflexões teóricas sobre a interação entre movimento LGBTI+ e partidos políticos no Brasil. Teoria & Pesquisa: Revista de Ciência Política, São Carlos, v. 31, n. 3, p. 3–23, 2023. DOI: 10.31068/tp.310301. Disponível em: https://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/view/941. Acesso em: 4 jun. 2023.

Edição

Seção

Dossiê

Métricas