POR UMA TIPOLOGIA DO AGONISMO: A INTERPRETAÇÃO DE NIETZSCHE, ARENDT E MOUFFE

Autores

  • João Kamradt
  • Diane Southier

DOI:

https://doi.org/10.4322/tp.v28i2.735

Resumo

O artigo trata do conceito de agonismo, distinguindo e estabelecendo semelhanças entre três vertentes da filosofia política: Friedrich Nietzsche, Hannah Arendt e Chantal Mouffe. Focando primeiramente numa descrição básica do pensamento de cada um desses autores, bem como algo da contribuição de comentadores, construímos uma tipologia do agonismo a partir dos seguintes critérios: influência pregressa, modelo (“o que é?”), objetivo individual, objetivo social, em que contexto é aplicado, estrutura, papel do antagonismo, limites do agon, ethos agonista e, finalmente, a importância atual de cada uma das vertentes. Em seguida, articulamos a tipologia proposta pensando o agonismo como um conceito essencialmente contestado (CEC), segundo a contribuição de Walter Gallie, o que explica algo sobre a dinâmica das disputas de interpretação e articulação de significados entre as três abordagens apresentadas. Gallie desenvolve uma série de condições de reconhecimento dos CEC’s que nos fornece uma base de compreensão do agonismo. A partir disso, nos detemos, em parte, na discussão em torno do pluralismo e do antagonismo, vinculados ao conceito em foco, para exemplificar as disputas travadas pelos autores

Downloads

Publicado

2019-11-02

Edição

Seção

Artigos