CONFLITO PARTIDÁRIO E POLARIZAÇÃO NAS VOTAÇÕES DE POLÍTICA EXTERNA NO CONGRESSO ESTADUNIDENSE NA ERA PÓSGUERRA FRIA (1993-2014)

Autores

  • Flávio Contrera

DOI:

https://doi.org/10.4322/tp.v27i3.694

Resumo

Este estudo teve como objetivo verificar as condições sob as quais a polarização tendeu a aumentar nas votações de política externa nas duas Casas do Congresso estadunidense. Foram analisadas todas as votações de política externa ocorridas entre 1993 e 2014, período que coincide com as administrações Clinton, Bush e parte da Administração Obama. Os testes estatísticos foram realizados através de análise probit. Os resultados mostraram que menos de 40% das votações foram polarizadas na Casa dos Representantes e no Senado. Além disso, no que se refere à Casa dos Representantes, foi confirmada a hipótese de que a polarização tende a aumentar à medida em que a aprovação presidencial diminui e quando o partido do Presidente não tem a maioria na Casa. No entanto, no Senado, os achados foram diferentes do que era esperado. Governo dividido e a ausência de uma ameaça externa diminuíram a probabilidade de polarização ao invés de aumentá-la

Downloads

Publicado

2019-03-08

Edição

Seção

Artigos