ATIVISMO DIGITAL EM ÂMBITO REGIONAL

UM ESTUDO SOBRE A PRESENÇA ONLINE DE MOVIMENTOS SOCIAIS NO INTERIOR DE MINAS GERAIS

Autores

  • Lara Viana
  • Rayza Sarmento

DOI:

https://doi.org/10.4322/tp.30101

Resumo

Este trabalho objetiva compreender as dinâmicas do uso da internet por diferentes movimentos sociais de Viçosa/MG/Brasil e região. Para isso, analisamos as páginas no Facebook de quatro movimentos sociais (581 posts) e realizamos entrevistas semiestruturadas com quatro ativistas responsáveis pela comunicação destes movimentos. Amparadas na literatura sobre movimentos sociais, ativismo e internet, procuramos compreender os usos da rede social pelos movimentos a partir de três fenômenos: informação, mobilização e organização. Concluímos que os movimentos sociais utilizam a rede social para circular narrativas, novos discursos, contrainformações e para mobilizar seus interlocutores para causas, campanhas e ações de protestos.

Referências

Alcântara, Lívia. 2015. Ciberativismo e movimentos sociais: mapeando discussões. Aurora: revista de arte, mídia e política, 8(23): 73-97.

Alves, Marcelo. 2016. Abordagens da coleta de dados nas mídias sociais. Silva, T. Stabile, M. Monitoramento e pesquisa em mídias sociais: metodologias, aplicações e inovações. São Paulo: Uva Limão.

Araújo, Willian. 2011. Ciberativismo: levantamento do estado da arte na pesquisa no Brasil. Florianópolis, Santa Catarina, V Simpósio Nacional ABCiber.

Avritzer, Leonardo. 2012. Sociedade civil e Estado no Brasil: da autonomia à interdependência política. Opinião Pública, 18(2): 383-398.

Bauer, Martin; Gaskell, George. 2002. Pesquisa Qualitativa Com Texto, Imagem e Som: Um Manual Prático. Rio de Janeiro: Vozes.

Borges, Jussara; Lessa, Bruna; Oliveira, Lídia. 2014. O papel dos sites de redes sociais nas estratégias comunicativas de organizações da sociedade civil de Salvador-Bahia-Brasil. Observatorio (OBS*), 8(3): 183-2013.

Bittencourt, Maria Clara Aquino. 2017. Midiatização do ativismo e jornalismo digital: o impacto dos filtros do Facebook nos processos de produção e circulação de conteúdos de coletivos midiáticos. Revista Latinoamericana de Ciencias de la Comunicación, 12(22): 122-133.

Bringel, Breno; Teixeira, Marco Antonio. Scherer-Warren, Ilse; Luchmann, Lígia. 2015. Movimentos sociais e engajamento político: trajetórias e tendências analíticas. Florianópolis: Editora da UFSC, p. 43-76.

Castells, Manuel. 2003. A Galáxia Internet: reflexões sobre a Internet, negócios e a sociedade. Editora Zahar.

Castells, Manuel. 2013. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar.

Cavalcante, Ricardo Bezerra; Calixto, Pedro; Pinheiro, Marta Macedo Kerr. 2014. Análise de conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Informação & Sociedade: Estudos, 24(1): 13-18.

Delo, Cotton. Facebook admits organic reach is falling short, urges marketers to buy ads. Ad Age, 5 dez 2013. Disponível em: <https://adage.com/article/digital/facebook-admits-organic-reach-brand-posts-dipping/245530>. Acesso em: 25 nov 2019.

Gohn, Maria da Glória. 2010. Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Vozes.

Gohn, Maria da Glória. 2014. Novas Teorias dos Movimentos Sociais. São Paulo: Loyola.

Gomes, Wilson. 2005. A democracia digital e o problema da participação civil na decisão política. Revista Fronteiras – Estudos midiáticos, 7(3): 214-222.

Gomes, Wilson. 2016. 20 anos de política, Estado e democracia digitais: uma “cartografia” do campo. In: S. Silva; R. Bragatto e R. Sampaio (orgs.), Democracia digital, comunicação política e redes: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Folio Digital, Letra e Imagem, p. 39-76.

Luvizotto, Caroline Kraus. 2016. Cidadania, ativismo e participação na internet: experiências brasileiras. Comunicação e Sociedade, 30: 296-312.

Melucci, Alberto. 1987. Um objetivo para os movimentos sociais? Lua Nova, (7): 49-66.

Mendonça, Ricardo Fabrino. 2011. Comunicação e sociedade civil: interfaces e agendas. Compolítica, 1(1): 7-44.

Mendonça, Ricardo Fabrino. 2017. Singularidade e identidade nas manifestações de 2013. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, 66: 130-159.

Pereira, Marcus Abílio. 2011. Internet e mobilização política: os movimentos sociais na era digital. Rio de Janeiro, Compolítica 6, 4: 1-26.

Pereira, Marcus Abílio. 2012. Movimentos sociais e democracia: a tensão necessária. Opinião Pública, 18(1): 68-87.

Pimenta, Francisco J. Paolielo; Rivello, Ana Paula Avellar. 2008. Zapatismo e Ciberativismo: a busca de uma conexão perdida. Natal, Rio Grande do Norte, XI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação.

Prudencio, Kelly; da Silva Junior, José Geraldo. 2015. A Comunicação Política das micromobilizações na internet a partir da observação do hip hop em Curitiba. E-Compós, 18(2): 1-16.

Rigitano, Maria Eugenia Cavalcanti. Redes e ciberativismo: notas para uma análise do centro de mídia independente. Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação. 2003. Disponível em:< http://www. bocc. ubi. pt/pag/rigitano-eugenia-redes-e-ciberativismo>. Acesso em: 30 de ago. 2019.

Ruskowski, Bianca et. al.. 2020. Tecnologias de Informação e Comunicação, Ativismo e Movimentos Sociais. Compolítica, 10(2), 43-84.

Sarmento, Rayza; Viana, Lara. 2019. A pesquisa brasileira sobre ativismo político online: mapeamento de publicações em periódicos das áreas de Ciência Política e Comunicação (2000 a 2017). Brasília, VIII Congresso da Compolítica.

Sarmento, Rayza. 2021. Ativismo Feminista Online: Mapeando eixos de atuação. Revista Sul-Americana de Ciência Política, 7(1): 19-37.

Sampaio, Rafael; Bragatto, Rachel; Nicolás, Maria. 2016. A construção do campo de Internet & Política: análise dos artigos brasileiros apresentados entre 2000 e 2014. In: S. Silva; R. Bragatto e R. Sampaio (orgs.), Democracia digital, comunicação política e redes: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Folio Digital, Letra e Imagem, p. 77-110.

Scherer-Warren, Ilse. 1987. Movimentos Sociais: um ensaio de interpretação sociológica. Florianópolis: Editora da UFSC.

Scherer-Warren, Ilse. 2006. Das mobilizações às redes de movimentos sociais. Sociedade e Estado, Brasília, 21(1): 109-130.

Scherer-Warren, Ilse. 2005. Redes de movimentos sociais. São Paulo: Loyola.

Scherer-Warren, Ilse. 2014. Manifestações de rua no Brasil 2013: encontros e desencontros na política. Caderno CRH, Salvador, 27(71): 417-429.

Sebastião, Sônia; Elias, Ana Catarina. 2012. O ativismo like: as redes sociais e a mobilização de causas. Sociedade e Cultura, Goiânia, 15(1): 61-70.

Silva, Sivaldo; Sampaio, Rafael; Bragatto, Rachel. 2016. Concepções, debates e desafios da democracia digital. In: S. Silva; R. Bragatto e R. Sampaio (orgs.), Democracia digital, comunicação política e redes: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Folio Digital, Letra e Imagem, p. 17-38.

Tatagiba, Luciana; Galvão, Andreia. 2019. Las protestas en Brasil en época de crisis (2011-2016). Opinião Pública, 25(1): 63-96.

Van Laer, Jeroen; Van Aelst, Peter. 2010. Internet and social movement action repertoires: Opportunities and limitations. Information, Communication & Society, 13(8): 1146-1171.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Edição

Seção

Artigos